Ano C - Agosto 2022 - Evangelho, Santo e Salmo do Dia

 Santo Afonso 01/08


Origens

Afonso de Ligório nasceu no dia 27 de setembro de 1696, em Nápoles, na Itália. Era filho de pais cristãos, ricos e nobres, que deram-lhe todas as condições de estudo acadêmicos como religiosos.

Com 16 anos, doutorou-se em Direito Civil e Eclesiástico, atendendo os ricos e pobres com a mesma igualdade. Entretanto, após anos de profissão, perdeu uma causa de grande repercussão social por exclusiva interferência política.

Das leis humanas às leis de Deus 

A situação ocasionou-lhe uma forte desilusão moral e decidiu, então, abandonar tudo e seguir a vida religiosa. A princípio, o pai não concordou, mas, quando viu Afonso renunciar à herança e aos títulos de nobreza, aceitou sua decisão.

Concluiu os estudos de teologia e foi ordenado sacerdote aos trinta anos, em 1726, dedicando o seu sacerdócio aos mais pobres.

Fundação da Congregação do Santíssimo Redentor

Em 1730, decidiu de deixar Nápoles para se retirar para o eremitério beneditino da Vila dos Escravos, perto de Caserta. Ali, fundou a Congregação do Santíssimo Redentor, destinada, exclusivamente, à pregação aos pobres, às regiões de população abandonada, sob a forma de missões e retiros. Essa experiência teve um sucesso imediato em Nápoles, a ponto de atingir cerca de 30 mil inscritos para serem educados. Ele mesmo viajou por quase todo o sul da Itália pregando a Palavra de Deus e a devoção a Maria.

Em 1762, com 66 anos, Afonso Maria foi nomeado Bispo de Santa Águeda dos Godos, em Benevento. Após 15 anos, renunciou o cargo por problemas de saúde.

Páscoa 

Faleceu com 91 anos, em 1787, em Nocera dei Pagani, Itália. Deixou um acervo de cento e vinte livros e tratados. Entre os mais célebres, estão: “Teologia moral”; “Glórias de Maria”, “Visitas ao SS. Sacramento”; além do “Tratado sobre a oração”.

Santo Afonso Maria de Liguori foi canonizado em 1839 e proclamado Doutor da Igreja, por Pio IX, em 1871. Em 1950, Pio XII o proclamou “Padroeiro celestial de todos os confessores e moralistas”.

Minha oração 

“Ó santo mestre e doutor da Igreja, concede-nos a devoção e amor pleno a Deus, capaz fazer-nos abandonar tudo para servi-lo. Amém.” 

Santo Afonso Maria de Ligório, rogai por nós!

Outros santos e beatos celebrados em 01 de agosto: 

  • Em Antioquia, na Síria, na Turquia, comemoração da paixão dos santos sete irmãos mártires. 
  • Comemora-se também Santo Eleázaro, um dos escribas mais notáveis.
  • Na Via Prenestina, a trinta milhas de Roma, São Secundino, mártir. († data inc.)
  • Em Gerona, na Hispânia Tarraconense, São Félix, mártir na perseguição do imperador Diocleciano. († s. IV in.)
  • Em Vercelas, na Ligúria, hoje no Piemonte, região da Itália, o dia natal de Santo Eusébio, bispo, cuja memória se celebra amanhã. († 371)
  • Em Bayeux, na Gália Lionense, hoje na França, Santo Exupério, que é venerado como primeiro bispo desta cidade. († c. s. IV)
  • Na Aquitânia, também na atual França, São Severo, presbítero, que deu todos os seus bens para a construção de igrejas e para o serviço dos pobres. († c. 500)
  • Em Besné, ilha próxima de Nantes, na Gália, hoje também na França, os santos Friardo e Secundelo diácono, eremitas. († s. VI)
  • Em Marchiennes, na Gália Bélgica, atualmente também na França, São Jonato, abade, discípulo de Santo Amando.(† c. 690)
  • Em Winchester, na Inglaterra, o sepultamento de Santo Etelvoldo, bispo, que redigiu a “Reguláris Concórdia”. († 984)
  • Em Aosta, nos Alpes Graios, na hodierna Itália, o Beato Emérico de Quart, bispo. († 1313)
  • Em Riéti, também na atual Itália, o Beato João Bufalári, religioso da Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho. († c. 1336)
  • Em Roma, São Pedro Fabro, presbítero, um dos primeiros companheiros da Companhia de Jesus. († 1546)
  • Em York, na Inglaterra, o Beato Tomás Welbourne, mártir. († 1605)
  • Em Nam Dinh, no atual Vietnam, os santos Domingos Nguyên Van Hanh (Diêu), da Ordem dos Pregadores, e Bernardo Vu Van Duê, presbíteros e mártires. († 1838)
  • Em La Mure, localidade da região de Isère, na França, o dia natal de São Pedro Julião Eymard, presbítero. († 1868)
  • Em Madrid, na Espanha, o Beato Benvindo (José de Miguel Arahal), presbítero da Congregação dos Terciários Capuchinhos de Nossa Senhora das Dores e mártir. († 1936)
  • Em Toledo, também na Espanha, o Beato Justino Alarcón Vera, presbítero da diocese de Toledo e mártir. († 1936)
  • No campo de concentração de Dachau, na Alemanha, o Beato Gerardo Hirschfelder, presbítero diocesano e mártir. († 1942)
  • No campo de concentração de Dachau, na Baviera, região da Alemanha, o Beato Aleixo Sobaszek, presbítero e mártir. († 1942)
  • Num bosque próximo de Nowogrodek, cidade da Polónia, as beatas Maria Estela do Santíssimo Sacramento (Adelaide Mardosewicz) e dez companheiras da Congregação das Irmãs da Sagrada Família de Nazaré, virgens e mártires.

    Fontes:

  • vatican.va e vaticannews.va
  • Martirológio Romano – liturgia.pt
  • Arquisp.org.br

– Produção e edição: Bianca Vargas



Por: CN


Dia 1º de Agosto - Segunda-feira

VIII Semana do Tempo do Comum - SANTO AFONSO DE LIGÓRIO BISPO E DOUTOR (Branco, Prefácio Comum ou dos Pastores – Ofício da Memória)

Antífona de Entrada

Velarei sobre as minhas ovelhas, diz o Senhor; chamarei um pastor que as conduza e serei o seu Deus (Ez 34,11.23s).

Oração do dia

Ó Deus, que suscitais continuamente em vossa Igreja novos exemplos de virtude, dai-nos seguir de tal modo os passos do bispo santo Afonso Maria, no zelo pela salvação de todos, que alcancemos com ele a recompensa celeste. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Leitura (Jeremias 28,1-17)

Leitura do livro do profeta Jeremias.

1Nesse mesmo ano, no início do reinado de Sedecias, rei de Judá, no quinto mês do quarto ano, disse-me o profeta Ananias, filho de Azur, profeta de Gabaon, na casa do Senhor e na presença dos sacerdotes e de todo o povo: 2“Isto diz o Senhor dos exércitos, Deus de Israel: Quebrei o jugo do rei da Babilônia. 3Ainda dois anos e eu farei reconduzir a este lugar todos os vasos da casa do Senhor, que Nabucodonosor, rei da Babilônia, tirou deste lugar e transferiu para a Babilônia. 4Também reconduzirei a este lugar Jeconias, filho de Joaquim e rei de Judá, juntamente com toda a massa de judeus desterrados para Babilônia, diz o Senhor, pois eu quebro o jugo do rei da Babilônia”. 5Respondeu o profeta Jeremias ao profeta Ananias, na presença dos sacerdotes e de todo o povo que estava na casa do Senhor, 6dizendo: “Amém, assim permita o Senhor! Realize ele as palavras que profetizaste, trazendo de volta os vasos para a casa do Senhor e todos os deportados da Babilônia para esta terra. 7Ouve, porém, esta palavra que eu digo aos teus ouvidos e aos ouvidos de todo o povo: 8os profetas que existiram antigamente, antes de mim e antes de ti, profetizaram sobre guerras, aflições e peste para muitos povos e reinos poderosos; 9mas o profeta que profetiza paz, esse somente será reconhecido como profeta que, em verdade, o Senhor enviou quando sua palavra for verificada”. 10Então o profeta Ananias retirou o jugo do pescoço do profeta Jeremias e quebrou-o; 11e disse Ananias, na presença de todo o povo: “Isto diz o Senhor: Deste modo quebrarei o jugo de Nabucodonosor, rei da Babilônia, dentro de dois anos, livrando dele o pescoço de todos os povos”. E foi-se pelo seu caminho o profeta Jeremias. 12Depois que o profeta Ananias havia retirado o jugo do pescoço do profeta Jeremias, dirigiu-se novamente a palavra do Senhor a Jeremias: 13“Vai dizer a Ananias: Isto diz o Senhor: Quebraste um jugo de madeira, mas em seu lugar farás um de ferro. 14Isto diz o Senhor dos exércitos, Deus de Israel: Pus um jugo de ferro sobre o pescoço de todas estas nações, para servirem a Nabucodonosor, rei da Babilônia, e lhe serão de fato submissas; além disso, dei-lhe também os animais do campo”. 15Disse ainda o profeta Jeremias ao profeta Ananias: “Ouve, Ananias, não foste enviado pelo Senhor e, contudo, fizeste este povo confiar em mentiras. 16Isto diz o Senhor: Eis que te farei partir desta terra; morrerás este ano, pois pregaste a infidelidade contra o Senhor”. 17Naquele ano, no sétimo mês, morreu o profeta Ananias.

Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial 118/119

Ensinai-me a fazer vossa vontade!

 

Afastai-me do caminho da mentira

e dai-me a vossa lei como um presente!

 

Não retireis vossa verdade de meus lábios,

pois eu confio em vossos justos julgamentos!

 

Que se voltem para mim os que vos temem

e conhecem, ó Senhor, vossa Aliança!

 

Meu coração seja perfeito em vossa lei,

e não serei, de modo algum, envergonhado!

 

Espreitam-me os maus para perder-me,

mas continuo sempre atento à vossa lei.

 

De vossos julgamentos não me afasto,

porque vós mesmo me ensinastes vossas leis.

Evangelho (Mateus 14,13-21)

Aleluia, aleluia, aleluia.

O homem não vive somente de pão, mas de toda palavra da boca de Deus (Mt 4,4).

 

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.

Naquele tempo, 13quando soube da morte de João Batista, Jesus partiu e foi de barco para um lugar deserto e afastado. Mas quando as multidões souberam disso, saíram das cidades e o seguiram a pé. 14Ao sair da barca, Jesus viu uma grande multidão. Encheu-se de compaixão por eles e curou os que estavam doentes. 15Ao entardecer, os discípulos aproximaram-se de Jesus e disseram: “Este lugar é deserto, e a hora já está adiantada. Despede as multidões, para que possam ir aos povoados comprar comida!” 16Jesus, porém, lhes disse: “Eles não precisam ir embora. Dai-lhes vós mesmos de comer!” 17Os discípulos responderam: “Só temos aqui cinco pães e dois peixes”. 18Jesus disse: “Trazei-os aqui”. 19Jesus mandou que as multidões se sentassem na grama. Então pegou os cinco pães e os dois peixes, ergueu os olhos para o céu e pronunciou a bênção. Em seguida, partiu os pães e os deu aos discípulos. Os discípulos os distribuíram às multidões. 20Todos comeram e ficaram satisfeitos, e, dos pedaços que sobraram, recolheram ainda doze cestos cheios. 21E os que haviam comido eram mais ou menos cinco mil homens, sem contar mulheres e crianças.

Palavra da salvação.


Sobre as Oferendas

Inflamai os nossos corações, Deus de bondade, com o fogo do Espírito Santo, vós que concedestes a santo Afonso Maria celebrar este mistério, oferecendo-se a si mesmo como vítima santa. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão

Não fostes vós que mês escolhestes, diz o Senhor. Fui eu que vos escolhi e vos enviei para produzirdes frutos, e o vosso fruto permaneça (Jo 15,16).

Depois da Comunhão

Ó Deus, que nos destes em santo Afonso Maria fiel pregador e ministro de tão grande sacramento, concedei-nos participar com frequência da santa eucaristia e viver constantemente em ação de graças. Por Cristo, nosso Senhor.

Santo do Dia / Comemoração (Santo Afonso Maria de Ligório)

Afonso de Ligório nasceu no dia 27 de setembro de 1696, no povoado de Marianela, em Nápoles, na Itália, filho de pais cristãos, ricos e nobres, que, ao se depararem com sua inteligência privilegiada, deram-lhe todas as condições e todo o suporte para tornar-se uma pessoa brilhante. Enquanto seu pai o preparava nos estudos acadêmicos e científicos, sua mãe preocupava-se em educá-lo nos caminhos da fé e do cristianismo. Ele cresceu um cristão fervoroso, músico, poeta, escritor e, com apenas dezesseis anos de idade, doutorou-se em direito civil e eclesiástico.

 

Passou a advogar e atender no fórum de Nápoles, porém jamais abandonou sua vida espiritual, que era muito intensa. Sempre foi muito prudente, nunca advogou para a Corte, atendia a todos, ricos ou pobres, com igual empenho. Porém atendia, em primeiro lugar, os pobres, que não tinham como pagar um advogado, não por uma questão moral, mas porque era cristão.

 

Depois de dez anos, tornara-se um memorável e bem sucedido advogado, cuja fama chegara aos fóruns jurídicos de toda a Itália. Entretanto, por exclusiva interferência política, perdeu uma causa de grande repercussão social, ocasionando-lhe uma violenta desilusão moral. A experiência do mundo e a forte corrupção moral já eram objeto de suas reflexões, após esse acontecimento decidiu abandonar tudo e seguir a vida religiosa.

 

O pai, a princípio, não concordou, mas, vendo o filho renunciar à herança e aos títulos de nobreza, com alegria no coração, aceitou sua decisão. Afonso concluiu os estudos de teologia, sendo ordenado sacerdote aos trinta anos, em 1726. Escolheu o nome de Maria para homenagear o Nosso Redentor por meio da Santíssima Mãe, aos quais dedicava toda a sua devoção, e agora também a vida.

 

Desde então, colocou seus muitos talentos a serviço do Povo de Deus, evidenciando ainda mais os da bondade, da caridade, da fé em Cristo e do conforto espiritual que passava a seus semelhantes. Em suas pregações, Afonso Maria usava as qualidades da oratória e colocava sua ciência a serviço do Redentor. As suas palavras eram um bálsamo aos que procuravam reconciliação e orientação, por meio do confessionário, ministério ao qual se dedicou durante todo o seu apostolado. Aos que lhe perguntavam qual era o seu lema, dizia: "Deus me enviou para evangelizar os pobres".

 

Para viver plenamente o seu lema, em 1732, fundou a Congregação do Santíssimo Redentor, ou dos Padres Redentoristas, destinada, exclusivamente, à pregação aos pobres, às regiões de população abandonada, sob a forma de missões e retiros. Ele mesmo viajou por quase todo o sul da Itália pregando a Palavra de Deus e a devoção a Maria, entremeando sua atividade pastoral com a de escritor de livros ascéticos e teológicos. Com tudo isso, conseguiu a conversão de muitas pessoas.

 

Em 1762, obedecendo à indicação do papa, aceitou ser o bispo da diocese de Santa Águeda dos Godos, diante da qual permaneceu durante treze anos. Portador de artrite degenerativa deformante, já paralítico e quase cego, retirou-se ao seu convento, onde completou sua extensa e importantíssima obra literária, composta de cento e vinte livros e tratados. Entre os mais célebres estão: "Teologia moral"; "Glórias de Maria", "Visitas ao SS. Sacramento"; além do "Tratado sobre a oração".

 

Depois de doze anos de muito sofrimento físico, Afonso Maria de Ligório morreu aos noventa e um anos, no dia 1º de agosto de 1787, em Nocera dei Pagani, Salerno, Itália. Canonizado em 1839, foi declarado doutor da Igreja em 1871. O papa Pio XII proclamou santo Afonso Maria de Ligório Padroeiro dos Confessores e dos Teólogos de Teologia Moral em 1950.




Reflexão sobre o Evangelho:
(01/08/2022 – Mateus 14,13-21) Jesus nos convida a percorrermos o caminho da partilha e doação do pouco ou muito que possuímos a nível pessoal e espiritual. O pouco com Deus se torna o necessário. A ordem de Jesus dada aos discípulos para que eles dessem de comer ao povo, pode ter-lhes soado como uma ironia, parecia impossível de ser executada até que eles colocaram a disposição de Jesus aquilo que tinham. O dom do pão não é apenas suficiente para satisfazer a multidão, mas é tão abundante que recolheram as sobras. O milagre está na partilha. Quando fazemos a nossa parte a multiplicação é abundante. Deus nunca descansa em cuidar de nossas necessidades. Jesus nunca decepcionou aqueles que o procuravam fervorosamente. Sejamos generosos e não tenhamos medo de partilharmos daquilo que Deus tem colocado em nossas mãos para multiplicarmos. Deus abençoe você! #ParoquiaMissionaria #CatolicoOrante #ParoquiaEvangelizadora #Evangelizar #Discipular #Enviar #PalavradoPadre #PlanoMissionarioePastoral
Reflexão por: Pe. João Manoel Lopes


Outras reflexões sobre o Evangelho:

Reflexão sobre o Evangelho do dia com Dom Cesar Teixeira, bispo diocesano de São José dos Campos, e padres da diocese.

Textos tirados do site Católico Orante: https://www.catolicoorante.com.br/


Santo Euzébio 02/08


Origens

Eusébio nasceu na ilha da Sardenha no ano 283. Após a morte do pai, foi levado pela mãe para Roma para terminar os estudos eclesiásticos. Eusébio entrou para o clero muito jovem, e logo foi ordenado sacerdote. Em 345, foi consagrado bispo da diocese de Vercelli pelo Papa Júlio I.

Exílio 

Durante o Concílio de Milão, em 355, Eusébio e outros bispos foram contra o Arianismo, que negava a divindade de Cristo. Por isso, foram condenados ao exílio na Palestina. Lá, Eusébio sofreu torturas físicas e psicológicas.

Em seguida, foi mandado para a Capadócia, na Turquia, e, de lá, para o deserto de Tebaida no Egito. Depois de seis anos de exílio, Eusébio, finalmente, alcançou a liberdade. Ele continuou o trabalho de evangelização indo a Antioquia, Ilíria, Itália e França.

Páscoa 

Eusébio faleceu no dia 10 de agosto de 371 na diocese em Vercelli.

Suas relíquias foram sepultadas na catedral de Vercelli e permanecem lá até hoje.

Minha oração 

“Santo Santo Eusébio de Vercelli, bispo e mártir, exemplo de defesa da fé em Cristo, pedimos a força para vencer toda a tentação e seguirmos o caminho do Evangelho. Amém.” 

Santo Eusébio de Vercelli, rogai por nós!

Outros santos e beatos celebrados em 2 de agosto: 

  • São Pedro Julião Eymard, presbítero. Morreu na localidade de La Mure, perto de Grenoble, na França, onde tinha nascido. († 1868)
  • Na África Setentrional, na atual Tunísia, a comemoração de São Rutílio, mártir. († a. 212)
  • Em Roma, no cemitério de Calisto, Santo Estêvão I, papa. († 257)
  • No território de Burgos, na Hispânia, Santa Centola, mártir. († data inc.)
  • Em Pádua, na Venécia, hoje na Itália, São Máximo, bispo, que é considerado sucessor de São Prosdócimo. († s. III-IV)
  • Em Marselha, na Provença, região da Gália, atualmente na França, São Sereno, bispo. († d. 601)
  • Em Chartres, na Nêustria, hoje também na França, São Betário, bispo. († c. 623)
  • Em Palência, na região de Castela, na Espanha, o passamento de São Pedro, bispo de Osma. († 1109)
  • Em Caleruega, também na região de Castela, a comemoração da Beata Joana, mãe de São Domingos. († s. XIII in.)
  • Em Barbastro, também na Espanha, os beatos Filipe de Jesus Munárriz AzconaJoão Díaz Nosti e Leôncio Pérez Ramos, presbíteros e mártires. († 1936)
  • Também em Barbastro, o Beato Zeferino Giménez Malla, mártir. († 1936)
  • Em Híjar, localidade próxima de Teruel, na Espanha, o Beato Francisco Calvo Burillo, presbítero da Ordem dos Pregadores e mártir. († 1936)
  • Em Madrid, também na Espanha, o Beato Francisco Tomás Serer, presbítero da Congregação dos Terciários Capuchinhos de Nossa Senhora das Dores. († 1936)
  • Em Pianura, na Campânia, região da Itália, São Justino Maria Russolíllo, presbítero da diocese de Nápoles. († 1955)Fontes:
  • vatican.va e vaticannews.va
  • Martirológio Romano – liturgia.pt
  • Arquisp.org.br

– Produção e edição: Bianca Vargas



Por: CN


Dia 2 de Agosto - Terça-feira

XVIII SEMANA DO TEMPO COMUM* (Verde – Ofício do Dia da II Semana)

Antífona de Entrada

Meus Deus, vinde libertar-me, apressai-vos, Senhor, em socorrer-me. Vós sois o meu socorro e o meu libertador; Senhor, não tardeis mais (Sl 69,2.6).

Oração do dia

Manifestai, ó Deus, vossa inesgotável bondade para com os filhos e filhas que vos imploram e se gloriam de vos ter como criador e guia, restaurando para eles a vossa criação e conservando-a renovada. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Leitura (Jeremias 30,1-2.12-15.18-22)

Leitura do livro do profeta Jeremias.

30 1 Dirigiu o Senhor nestes termos a palavra a Jeremias.

2 “Eis o que disse o Senhor, Deus de Israel: consignarás em um livro todas as palavras que te tenho dito.

12 Porque eis o que diz o Senhor: tua ferida é incurável e perigosa a tua chaga.

13 Ninguém quer tomar o encargo de curá-la, não há para ti remédio nem emplasto.

14 Esqueceram-te os que te amavam, e contigo nem mais se preocupam. Pois que te feri, como se fere um inimigo, com cruel castigo, por causa da gravidade de tua falta e do número de teus pecados.

15 Por que choras sobre tua ferida? Por que incurável é tua dor? É por causa da gravidade de tua falta e do número de teus pecados que te fiz isso.

18 Mas, eis o que diz o Senhor: restaurarei as tendas de Jacó, e me apiedarei de suas moradas. Será a cidade reconstruída em sua colina, e reedificado o palácio no primitivo lugar.

19 Cânticos de louvor se erguerão e gritos de alegria. Multiplicar-lhes-ei o número, que não será mais reduzido; eu os exaltarei, e não serão mais humilhados.

20 Os filhos serão como eram outrora, e forte será diante de mim sua assembleia; eu castigarei seus opressores.

21 Um dentre eles será o chefe, e do meio deles sairá seu soberano. Mandarei buscá-lo, e perante mim terá acesso, porque nenhum homem se arriscaria a aproximar-se de mim - oráculo do Senhor.

22 Sereis o meu povo, e eu, o vosso Deus”.

Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial 101/102

O Senhor olhou a terra do alto céu.

 

As nações respeitarão o vosso nome,

e os reis de toda a terra, a vossa glória;

quando o Senhor reconstruir Jerusalém

e aparecer com gloriosa majestade,

ele ouvirá a oração dos oprimidos

e não desprezará a sua prece.

 

Para as futuras gerações se escreva isto,

e um povo novo a ser criado louve a Deus.

Ele inclinou-se de seu templo nas alturas,

e o Senhor olhou a terra do alto céu,

para os gemidos dos cativos escutar

e da morte libertar os condenados.

 

Assim também a geração dos vossos servos

terá casa e viverá em segurança,

e ante vós se firmará sua descendência.

Para que cantem o seu nome em Sião

e louve ao Senhor Jerusalém,

quando os povos e as nações se reunirem

e todos os impérios o servirem.

Evangelho (Mateus 14,22-36)

Aleluia, aleluia, aleluia.

Mestre, tu és o Filho de Deus, és rei de Israel! (Jo 1,49).

 

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.

14 22 Jesus obrigou seus discípulos a entrar na barca e a passar antes dele para a outra margem, enquanto ele despedia a multidão.

23 Feito isso, subiu à montanha para orar na solidão. E, chegando a noite, estava lá sozinho.

24 Entretanto, já a boa distância da margem, a barca era agitada pelas ondas, pois o vento era contrário.

25 Pela quarta vigília da noite, Jesus veio a eles, caminhando sobre o mar.

26 Quando os discípulos o perceberam caminhando sobre as águas, ficaram com medo: “É um fantasma!” disseram eles, soltando gritos de terror.

27 Mas Jesus logo lhes disse: “Tranquilizai-vos, sou eu. Não tenhais medo!”

28 Pedro tomou a palavra e falou: “Senhor, se és tu, manda-me ir sobre as águas até junto de ti!”

29 Ele disse-lhe: “Vem!” Pedro saiu da barca e caminhava sobre as águas ao encontro de Jesus.

30 Mas, redobrando a violência do vento, teve medo e, começando a afundar, gritou: “Senhor, salva-me!”

31 No mesmo instante, Jesus estendeu-lhe a mão, segurou-o e lhe disse: “Homem de pouca fé, por que duvidaste?”

32 Apenas tinham subido para a barca, o vento cessou.

33 Então aqueles que estavam na barca prostraram-se diante dele e disseram: Tu és verdadeiramente o Filho de Deus.

34 E, tendo atravessado, chegaram a Genesaré.

35 As pessoas do lugar o reconheceram e mandaram anunciar por todos os arredores. Apresentaram-lhe, então, todos os doentes,

36 rogando-lhe que ao menos deixasse tocar na orla de sua veste. E, todos aqueles que nele tocaram, foram curados.

Palavra da Salvação.


Sobre as Oferendas

Dignai-vos, ó Deus, santificar estas oferendas e, aceitando este sacrifício espiritual, fazei de nós uma oferenda eterna para vós. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão

Vós nos destes, Senhor, o pão do céu, que contém todo sabor e satisfaz todo paladar (Sb 16,20).

Depois da Comunhão

DEPOIS DA COMUNHÃO Acompanhai, ó Deus, com proteção constante os que renovastes com o pão do céu e, como não cessais de alimentá-los, tornai-os dignos da salvação eterna. Por Cristo, nosso Senhor.




Reflexão sobre o Evangelho:

Reflexão sobre o Evangelho do dia com Dom Cesar Teixeira, bispo diocesano de São José dos Campos, e padres da diocese.

Textos tirados do site Católico Orante: https://www.catolicoorante.com.br/


Santa Lídia 03/08

Discípula de Paulo

Origens 

O culto a Santa Lídia é uma das tradições mais antigas da Igreja. Sua casa foi a primeira igreja fundada na Europa por São Paulo. Lídia veio da Grécia asiática e instalou-se para o seu comércio em Filipos, porto do Mar Egeu.

Discípula de Paulo 

Ela e a família se converteram no ano 55 quando encontraram os apóstolos Silas, Timóteo, Lucas e Paulo. Essa conversão é narrada em Ato dos Apóstolos, por São Lucas: “Dali fomos a Filipos,  que é a cidade principal daquele distrito da Macedônia, uma colônia (romana). Nesta cidade, nos detivemos por alguns dias. No sábado, saímos fora da porta para junto do rio, onde pensávamos haver lugar de oração. Aí nos assentamos e falávamos às mulheres que se haviam reunido. Uma mulher, chamada Lídia, da cidade dos tiatirenos, vendedora de púrpura, temente a Deus, nos escutava. O Senhor abriu-lhe o coração para atender às coisas que Paulo dizia” (At 16,12-14). Depois disto, ela os convidou: “Se vocês me consideram fiel ao Senhor, permaneçam em minha casa”.

Influente e rica 

Lídia era uma comerciante de púrpura, corante usado em tecidos finos, como a seda e a lã de qualidade. Dessa forma, ela era considerada uma mulher rica e influente, o que a ajudou a evangelizar outros filipenses. A missão de levar o Evangelho para o Ocidente a manteve próxima ao apóstolo Paulo.

O nome de Lídia foi incluso no Martirológico romano pelo cardeal César Barónio, em 1607, que estava responsável pela revisão da lista de santos.

Minha oração 

“Ó santa Lídia, umas das primeiras santas a ser venerada, ajuda-me a abrir meu coração a Jesus como tu fizestes ouvindo os apóstolos. Que minha casa também seja Igreja, lar de fé e esperança. Amém.” 

Santa Lídia, rogai por nós!

Outros santos e beatos celebrados em 3 de agosto: 

  • Em Nápoles, na Campânia, região da Itália, Santo Asprenate, primeiro bispo desta cidade. († s. II-III)
  • Em Autun, hoje na França, Santo Eufrónio, bispo. († d. 475)
  • No monte Mássico, região da Itália, São Martinho, que permaneceu durante muitos anos recluso numa caverna. († 580)
  • Em Anágni,  também região da Itália, São Pedro, bispo. († 1105)
  • Em Lucera, também região da Itália, o Beato Agostinho Kazotic, bispo, da Ordem dos Pregadores. († 1323)
  • Em Alicante, na Espanha, o Beato Salvador Ferrándis Segui, presbítero e mártir. († 1936)
  • Em Samalus, também na Espanha, os beatos mártires Afonso López López, presbítero, e Miguel Remon Salvador, religioso, ambos da Ordem dos Frades Menores Conventuais. († 1936)
  • Em Barcelona, também na Espanha, o Beato Francisco Bandrés Sánchez, presbítero da Sociedade Salesiana e mártir. († 1936)
  • Em Ronda, perto de Málaga, também na Espanha, os beatos António Mohedano Larriva e António Pancorbo López, presbíteros da Sociedade Salesiana e mártires. († 1936)
  • Fontes:
  • vatican.va e vaticannews.va
  • Martirológico Romano – liturgia.pt
  • Arquisp.org.br

– Produção e edição: Bianca Vargas



Por: CN

Texto tirado do site Católico Orante: https://www.catolicoorante.com.br/


São João Maria 04/08



Santo Osvaldo 05/08



São Justo e São Pastor 06/08



São Caetano 07/08



São Domingos 08/08



Origens 

São Domingos nasceu em Caleruega, na Castela Velha, em 1170, Espanha. Pertencia a uma família nobre, católica e rica: seus pais eram Félix de Gusmão e Joana d’Aza e seus irmãos, Antonio e Manes. Na sua família, havia um tio sacerdote. Assim, a vontade de evangelizar já estava presente desde a infância.

O chamado 

Domingos dedicou-se aos estudos, tornando-se uma pessoa muito culta. Mas, aos 24 anos, o chamado ao sacerdócio foi maior e Domingos começou a fazer parte dos Canônicos da Catedral de Osma, a pedido do Bispo Diego. Logo, foi convidado para auxiliar o rei Afonso VII nos trabalhos diplomáticos do seu governo e também para representar a Santa Sé.

Luta contra a heresia

Durante a Idade Média, havia a heresia dos albigenses, ou cátaros, no sul da França. O Papa Inocêncio III enviou Domingos e Dom Diego para enfrentar os Albigenses e propagar o Evangelho. Porém, com a morte repentina de Diego, Domingos de Gusmão permaneceu sozinho na missão.

Fundador da Ordem dos Frades Predicadores

Em 1215,  Domingos fundou uma Ordem que oferecia uma nova proposta de evangelização cristã e vida apostólica. Em 22 de dezembro de 1217, Papa Honório III emitiu a aprovação definitiva, dando-lhe o nome de “Ordem dos Frades Pregadores”. Eles foram conhecidos como homens sábios, pobres e austeros.

Páscoa 

São Domingos de Gusmão morreu em 6 de agosto de 1221, com 51 anos, no Convento de Bolonha.

Foi canonizado pelo Papa Gregório IX, que o havia conhecido pessoalmente após 13 anos da sua morte.

Minha oração 

“São Domingos de Gusmão, santo mestre, ajuda-me a sempre a espalhar a verdade de Cristo e lutar contra todo tipo de blasfemia e descrença. Amém.” 

São Domingos de Gusmão, rogai por nós!

Outros santos e beatos celebrados em 08 de agosto:

  • Em Albano, na Via Ápia, os santos SegundoCarpóforoVitorino e Severiano, mártires. († s. III f.-IV in.)
  • Em Roma, os santos CiríacoLargoCrescencianoMémiaJuliana e Esmeraldo, mártires. († s. IV in.)
  • Em Tarso, na Cilícia, na atual Turquia, a paixão de São Marinho. († c. 303-311)
  • Em Milão, na Ligúria, hoje na Lombardia, região da Itália, Santo Eusébio, bispo. († c. 462)
  • Em Vienne, na Gália Lionense, hoje na França, São Severo, presbítero. († c. s. V)
  • Em Bordéus, na Aquitânia, também na atual França, São Múmulo, abade de Fleury. († 678)
  • Em Cízico, na atual Turquia, Santo Emiliano, bispo. († s. IX)
  • No mosteiro de Götweig, na Áustria, Santo Altmano, bispo de Passau. († 1091)
  • Em Gallese, na Toscana, região da Itália, São Famião, eremita. († c. 1150)
  • Em Londres, na Inglaterra, o Beato João Felton, mártir. († 1570)
  • Em York, também na Inglaterra, o Beato João Fingley, presbítero e mártir. († 1586)
  • Em Xixiaodun, no Hebei, província da China, São Paulo Ke Tingzhu, mártir. († 1900)
  • Em Zamora, na Espanha, Santa Bonifácia Rodríguez de Castro, virgem. († 1905)
  • Em Sydney, na Austrália, Santa Maria da Cruz, virgem, que fundou a Congregação das Irmãs de São José e do Sagrado Coração. († 1909)
  • Em Póggio a Caiano, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, a Beata Maria Margarida, virgem, que fundou o Instituto Franciscano das Irmãs Mínimas do Sagrado Coração. († 1921)
  • No lugar chamado El Saler, perto de Valência, na Espanha, o Beato António Silvestre Moya, presbítero e mártir. († 1936)
  • Em Valência, também na Espanha, as beatas Maria do Menino Jesus e companheiras, virgens do Instituto das Filhas de Maria das Escolas Pias e mártires. († 1936)
  • Em San Andréu de Palomar, na Catalunha, também na Espanha, o Beato Antero Mateo Garcia, pai de família e mártir. († 1936)
  • Em Villat de Olalla, também na Espanha, os beatos e mártires Cruz Laplana y Laguna, bispo de Cuenca e Fernando Español Berdié, presbítero da mesma diocese. († 1936)
  • Em Traverseras, na Catalunha, também na Espanha, os beatos Dionísio Luís e Leonardo José, religiosos. († 1936)
  • Em Fuente el Fresno, também na Espanha, o Beato Filipe José, da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs e mártires. († 1936)
  • Em Vallirana, localidade da província de Barcelona, também Espanha, as beatas Maria do Carmo Zaragoza Zaragoza e Maria Rosa Adrover Marti, virgens da Congregação das Dominicanas de Santa Catarina de Sena e mártires. († 1936)
  • Em Madrid, também na Espanha, o Beato Nicolau de la Torre Merino, religioso da Sociedade Salesiana e mártir. († 1936)
  • Em Gusen, localidade da Alemanha, o Beato Vladimiro Laskowski, presbítero e mártir.
  • Fontes:
  • vatican.va e vaticannews.va
  • Martirológio Romano – liturgia.pt
  • Arquisp.org.br

– Produção e edição: Bianca Vargas



Por: CN


Santa Edite Stein 09/08


Origens

Edith nasceu em Breslávia, na Baixa Silésia, Polônia, em 1891; ela era a 11ª filha de um casal muito fervoroso de judeus. O pai morreu quando ela ainda não tinha completado dois anos. A mãe educou as crianças dentro da religião judaica.

Durante a adolescência, Edith teve uma crise e afastou-se de Deus. Mais tarde, dedicou-se a uma vida de estudos na Universidade de Breslau, tendo como meta a Filosofia.

Fé e ciência 

A sua conversão aconteceu em 1921, quando ela leu a autobiografia de Santa Teresa d’Ávila durante uma noite. “Quando fechei o livro, disse para mim mesma: é esta a verdade”, declarou ela mais tarde. Recebeu o Batismo e a Crisma, em 1922, contra a vontade dos pais, mas nunca renegou suas raízes judaicas.

Usou seus dons acadêmicos para servir a Deus. Tornou-se professora e Irmã carmelita em Colônia, em 1934, com o nome de Teresa Benedita da Cruz.

Perseguição 

A perseguição nazista aos judeus alemães intensificou-se, e por isso Edith foi transferida para o Carmelo de Echt, na Holanda, juntamente com sua irmã Rosa, que também foi batizada na Igreja Católica e prestava serviço no convento.

Os bispos católicos dos Países Baixos fizeram um comunicado contra as deportações dos judeus. Em forma de represália, Hitler mandou invadir o convento na Holanda e prender Edith e sua irmã. Elas e mais 244 judeus católicos foram levados para o campo de concentração Auschwitz. Ali, cuidou das crianças encarceradas e ensinou o Evangelho aos presos.

Páscoa 

Edith Stein morreu, em agosto de 1942, juntamente com a sua irmã Rosa nas câmaras de gás de Auschwitz; depois, seu corpo foi queimado. Foi canonizada em Roma, em 1998, pelo então Papa João Paulo II.

Minha oração 

“Ó Santa Teresa Benedita da Cruz, ajuda-me a ter um encontro verdadeiro com Jesus, a fim de morrer para as coisas deste mundo e viver apenas para Ele. Santa Edith Stein, interceda por mim a Deus Pai, para que logo estejamos todos juntos no paraíso. Amém.” 

Santa Teresa Benedita da Cruz (Edith Stein), rogai por nós!

Outros santos e beatos celebrados em 9 de agosto:

  • Em Roma, no cemitério de São Lourenço, junto à Via Tiburtina, São Romão, mártir. († c. 258)
  • No mosteiro de Achonry, na Irlanda, São Nateu, bispo e abade. († s. VI)
  • Em Kilmore, também na Irlanda, São Fedlimino, bispo. († c. s. VI)
  • Em Constantinopla, hoje Istambul, na Turquia, a comemoração dos santos mártires. († c. 729)
  • Em Palena, na Calábria, atualmente nos Abruzos, região das Itália, o Beato Falco, eremita. († s. X/XI)
  • Em Florença, na Etrúria, atualmente na Toscana, também região da Itália, o Beato João de Salerno, presbítero da Ordem dos Pregadores. († c. 1242)
  • No monte de Verna, também na Etrúria, região da Itália, o Beato João de Fermo, presbítero da Ordem dos Menores. († 1322)
  • Em Londres, na Inglaterra, o Beato Ricardo Bere, presbítero e mártir. († 1537)
  • Num sórdido barco-prisão, ancorado ao largo de Rochefort, na França, o Beato Cláudio Richard, presbítero da Ordem de São Bento e mártir. († 1794)
  • Em Salamanca, na Espanha, Santa Cândida Maria de Jesus (Joana Josefa Cipítria), virgem, que fundou a Congregação das Filhas de Jesus. († 1912)
  • Em Molokai, ilha do arquipélago do Hawai, Santa Mariana Cope de Molokai (Bárbara Kobb), virgem das Irmãs da Ordem Terceira de São Francisco de Siracusa. († 1918)
  • Em Barbastro, na Espanha, o Beato Florentino Asêncio Barroso, bispo e mártir. († 1936)
  • Em Barcelona, também na Espanha, os beatos Rúben de Jesus (Rúben López Aguilar) e seis companheiros, religiosos da Ordem de São João de Deus e mártires. († 1936)
  • Em Azanuy, localidade da província de Huesca, também na Espanha, os beatos Faustino Oteiza Segura, presbítero, e Florentino Filipe Naya, religiosos da Ordem dos Clérigos Regrantes das Escolas Pias e mártires. († 1936)
  • Em Argés, localidade próxima de Toledo, também na Espanha, o Beato Guilherme Plaza Hernández, presbítero da Irmandade dos Sacerdotes Operários e mártir. († 1936)
  • Em Carcaixent, localidade próxima de Valência, também na Espanha, o Beato Germano Maria (José Maria Garrigues Hernández), presbítero da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos e mártir. († 1936)
  • Em Villa de Don Fradique, perto de Toledo, também na Espanha, o Beato Francisco López-Gasco Fernández Largo, presbítero da diocese de Toledo e mártir. († 1936)
  • Em Madrid, também na Espanha, o Beato José Maria Celaya Badiola, religioso da Sociedade Salesiana e mártir. († 1936)
  • Em Barcelona, também na Espanha, o Beato Lourenço Gabriel (José Figueras Rey), religioso da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs e mártir. († 1936)
  • Em Brandeburgo, na Alemanha, o Beato Francisco Jägerstätter, mártir. († 1943)

  • Fontes:
  • vatican.va e vaticannews.va
  • Martirológio Romano – liturgia.pt
  • Arquisp.org.br

– Produção e edição: Bianca Vargas



Por: CN

Terca-feira, 09 de Agosto de 2022
19a. Semana do Tempo Comum
Cor liturgica: Verde

Evangelho do dia: São Mateus 17,22-27

Primeira leitura: Ezequiel 2, 8-3,4
Leitura da Profecia de Ezequiel:

Assim fala o Senhor: 8'Quanto a ti, Filho do homem, escuta o que eu te digo: Não sejas rebelde como esse bando de rebeldes. Abre a boca e come o que eu te vou dar'. 9Eu olhei e vi uma mão estendida para mim e, na mão, um livro enrolado. Desenrolou-o diante de mim; estava escrito na frente e no verso e nele havia cantos fúnebres, lamentações e ais. 3,1Ele me disse: 'Filho do homem, come o que tens diante de ti! Come este rolo e vai falar aos filhos de Israel'. 2Eu abri a boca, e ele fez-me comer o rolo. 3Depois disse-me: 'Filho do homem, alimenta teu ventre e sacia as entranhas com este rolo que eu te dou'. Eu o comi, e era doce como mel em minha boca. 4Ele disse-me então: 'Filho do homem, vai! Dirige-te à casa de Israel e fala-lhes com as minhas palavras'.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Salmo 118 (119)

- Seguindo vossa lei me rejubilo muito mais do que em todas as riquezas.

R: Como é doce ao paladar vossa palavra, ó Senhor!

- Minha alegria é a vossa Aliança, meus conselheiros são os vossos mandamentos.

R: Como é doce ao paladar vossa palavra, ó Senhor!

- A lei de vossa boca, para mim, vale mais do que milhões em ouro e prata.

R: Como é doce ao paladar vossa palavra, ó Senhor!

- Como é doce ao paladar vossa palavra, muito mais doce do que o mel na minha boca!

R: Como é doce ao paladar vossa palavra, ó Senhor!

- Vossa palavra é minha herança para sempre, porque ela é que me alegra o coração!

R: Como é doce ao paladar vossa palavra, ó Senhor!

- Abro a boca e aspiro largamente, pois estou ávido de vossos mandamentos.

R: Como é doce ao paladar vossa palavra, ó Senhor!

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 18,1-5.10.12-14

- Aleluia, Aleluia, Aleluia!
- Tomai meu jugo sobre vós e aprendei de mim, que sou de coração humilde e manso! (Mt 11,29)

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo São Mateus:

Naquele tempo: 1Os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram: 'Quem é o maior no Reino dos Céus?' 2Jesus chamou uma criança, colocou-a no meio deles 3e disse: 'Em verdade vos digo, se não vos converterdes, e não vos tornardes como crianças, não entrareis no Reino dos Céus. 4Quem se faz pequeno como esta criança, esse é o maior no Reino dos Céus. 5E quem recebe em meu nome uma criança como esta, é a mim que recebe. 10Não desprezeis nenhum desses pequeninos, pois eu vos digo que os seus anjos nos céus vêem sem cessar a face do meu Pai que está nos céus. 12Que vos parece? Se um homem tem cem ovelhas, e uma delas se perde, não deixa ele as noventa e nove nas montanhas, para procurar aquela que se perdeu? 13Em verdade vos digo, se ele a encontrar, ficará mais feliz com ela, do que com as noventa e nove que não se perderam. 14Do mesmo modo, o Pai que está nos céus não deseja que se perca nenhum desses pequeninos.

- Palavra da Salvação
- Glória a Vós, Senhor


Reflexão sobre o Evangelho:
(09/08/2022 – Mateus 18,1-5.10.12-14) Hoje vemos a escala de valores de Jesus em contraste com o mundo e com os discípulos. O Senhor é muito expressivo ao colocar uma criança no centro, no coração da comunidade. A atitude de Jesus é uma atitude de serviço, de exemplo para os seus discípulos para que assim sejam felizes e experimentem o amor de Deus. Precisamos mudar de vida, nos converter para vermos como Deus nos vê, a partir do seu coração de Pai. Tornar-se como criança é a expressão mais perfeita das bem-aventuranças. É um compromisso de vida para o qual Jesus nos chama e que nos distancia dos esquemas que dominam a sociedade de consumo. Ser como criança é uma tarefa árdua, implica renunciar o orgulho, reconhecer que sozinhos não podemos fazer nada. Sejamos pequenos e humildes para sermos agradáveis a Deus em todas as coisas. Deus abençoe você! #ParoquiaMissionaria #CatolicoOrante #ParoquiaEvangelizadora #Evangelizar #Discipular #Enviar #PalavradoPadre #PlanoMissionarioePastoral
Reflexão por: Pe. João Manoel Lopes


Outras reflexões sobre o Evangelho:

Reflexão sobre o Evangelho do dia com Dom Cesar Teixeira, bispo diocesano de São José dos Campos, e padres da diocese.

Textos tirados do site Católico Orante: https://www.catolicoorante.com.br/


São Lourenço 10/08


Mártir

Origens 

São Lourenço nasceu na Espanha na primeira metade do século II. Conta-nos a história que São Lourenço tinha grande amizade com o Papa Sisto II, o qual confiou-lhe a função de arquidiácono. Ele administrava os bens e as ofertas para ajudar os pobres, órfãos e viúvas.

Tesouros da Igreja 

No ano 258 d.C., foi publicado um decreto do imperador Valeriano, em que ordenava que todos os bispos, presbíteros e diáconos deveriam ser condenados à morte.

Lourenço, alguns diáconos e o Papa Sisto II foram presos. O Pontífice foi assassinado no dia 6 de agosto. O imperador poupou a vida de Lourenço pedindo que lhe entregasse os “tesouros da Igreja”. Ele reuniu órfãos, cegos, coxos, viúvas e idosos e apresentou ao imperador  dizendo: “Eis aqui os nossos tesouros, que nunca diminuem e podem ser encontrados em toda parte”.

Páscoa 

No dia 10 de agosto, São Lourenço também foi martirizado. Segundo uma antiga “Paixão”, coletada por Santo Ambrósio, ele foi queimado em uma grelha. Após a sua morte, o corpo de São Lourenço foi deposto em uma sepultura na Via Tiburtina. No lugar do seu martírio, foi construída uma igreja, dedicada a São Lourenço, em Panisperna.

Minha oração 

“São Lourenço, que nunca desanimastes na fé em Deus, dai-nos o desejo e a força de enfrentar as dificuldades enfrentadas por amar e seguir o Evangelho. Amém!”

São Lourenço, diácono amigo do Papa Sisto II, rogai por nós!

Outros santos e beatos celebrados em 10 de agosto:

  • Comemoração dos santos mártires, em Alexandria, no Egipto, que morreram durante a perseguição do imperador Valeriano. († 257)
  • Em Dunblane, na Escócia, São Blano, bispo. († s. VI)
  • Em Alcamo, na Sicília, região da Itália, o Beato Arcângelo de Calatafíni Piacentíni, presbítero da Ordem dos Menores. († 1460)
  • Em Iki, cidade do Japão, o Beato Agostinho Ota, religioso da Companhia de Jesus e mártir. († 1622)
  • Num barco-prisão ancorado ao largo de Rochefort, na França, os beatos Cláudio José Jouffret de Bonnefont, da Sociedade de São Sulpício, Francisco François, da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, e Lázaro Tiersot, da Ordem Cartusiana, presbíteros e mártires. († 1794)
  • No lugar chamado El Saler, próximo de Valência, na Espanha, o Beato José Toledo Pellicer, presbítero e mártir. († 1936)
  • Em Valência, também na Espanha, o Beato João Martorell Sória, presbítero da Sociedade Salesiana e mártir.  Com ele é também comemorado o Beato mártir Pedro Mesonero Rodríguez, religioso da mesma Sociedade. († 1936)
  • No campo de concentração de Dachau, próximo de Munique da Baviera, na Alemanha, os beatos Francisco Drzewiecki, da Congregação da Pequena Obra da Divina Providência, e Eduardo Grzymala, presbíteros e mártires. († 1942)
  • Fontes:
  • vatican.va e vaticannews.va
  • Martirológio Romano – liturgia.pt
  • Arquisp.org.br

– Produção e edição: Bianca Vargas



Por: CN


Quarta-feira, 10 de Agosto de 2022
Tempo: Comum

Festa: Sao Lourenco, Diacono e martir
Cor liturgica: Vermelho

Evangelho do dia: São João 12,24-26

Primeira leitura: Coríntios 9, 6-10
Leitura da segunda carta de São Paulo aos Coríntios:

Irmãos, 6"quem semeia pouco colherá também pouco, e quem semeia com largueza colherá também com largueza". 7Dê cada um conforme tiver decidido em seu coração, sem pesar nem constrangimento, pois Deus "ama quem dá com alegria". 8Deus é poderoso para vos cumular de toda sorte de graças, para que, em tudo, tenhais sempre o necessário e ainda tenhais de sobra para toda obra boa, 9como está escrito: "Distribuiu generosamente, deu aos pobres; a sua justiça permanece para sempre". 10Aquele que dá a semente ao semeador e lhe dará o pão como alimento, ele mesmo multiplicará as vossas sementes e aumentará os frutos da vossa justiça.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Salmo 111 (112)

- Feliz o homem que respeita o Senhor e que ama com carinho a sua lei! Sua descendência será forte sobre a terra, abençoada a geração dos homens retos!

R: Feliz o homem caridoso e prestativo.

- Feliz o homem caridoso e prestativo, que resolve seus negócios com justiça. Porque jamais vacilará o homem reto, sua lembrança permanece eternamente!

R: Feliz o homem caridoso e prestativo.

- Ele não teme receber notícias más: confiando em Deus, seu coração está seguro. Seu coração está tranquilo e nada teme, e confusos há de ver seus inimigos.

R: Feliz o homem caridoso e prestativo.

- Ele reparte com os pobres os seus bens, permanece para sempre o bem que fez, e crescerão a sua glória e seu poder.

R: Feliz o homem caridoso e prestativo.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 12, 24-26

- Aleluia, Aleluia, Aleluia.
- Aquele que me segue não caminha entre as trevas, mas terá a luz da vida (Jo 8,12);

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João:

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 24"Em verdade, em verdade vos digo, se o grão de trigo que cai na terra não morre, ele continua só um grão de trigo; mas, se morre, então produz muito fruto. 25Quem se apega à sua vida perde-a; mas quem faz pouca conta de sua vida neste mundo conservá-la-á para a vida eterna. 26Se alguém me quer servir, siga-me, e onde eu estou estará também o meu servo. Se alguém me serve, meu Pai o honrará".

- Palavra da Salvação
- Glória a Vós, Senhor

Comentário ao Evangelho por Santo Agostinho, Bispo e Doutor da Igreja
Sermão 305

«Onde Eu estiver, ali estará também o meu servo»

A vossa fé reconhece, meus irmãos, este grão lançado à terra, este grão que a morte multiplicou. A vossa fé reconhece-O, porque Ele habita nos vossos corações. Nenhum cristão hesita em crer no que Cristo disse acerca de Si próprio. Ora, uma vez que este grão morreu e se multiplicou, muitos outros grãos foram lançados à terra. São Lourenço é um deles, e celebramos hoje o dia em que ele foi semeado. Vemos que colheita imensa despontou de todos estes grãos espalhados pela terra, e este espetáculo enche-nos de alegria, pelo menos a nós os que, pela graça de Deus, pertencemos ao seu celeiro.

Porque nem toda a colheita entra no celeiro: a mesma chuva, útil e fértil, faz crescer a semente boa e a palha, mas não se armazenam as duas no celeiro. Para nós, agora é tempo de escolher. [...] Portanto, ouvi, grãos consagrados, porque não duvido de que estejais aqui em grande número. [...] Ouvi-me, ou antes, ouvi em mim Aquele a quem primeiro se chamou boa semente. Não ameis a vossa vida neste mundo. Se amais realmente a vossa vida, não ameis a vida deste mundo, e então salvareis a vossa vida [...] «O que ama a sua vida neste mundo perdê-la-á.» É a semente boa que o diz, o grão que foi lançado à terra e que morreu para dar muito fruto. Ouvi-O, porque Ele faz o que diz. Ele instrui-nos e mostra-nos o caminho com o seu exemplo.

Cristo não Se prendeu à vida deste mundo; Ele veio ao mundo para Se despojar de Si próprio, para dar a sua vida e a retomar quando quisesse. [...] Ele é o verdadeiro Deus, este homem verdadeiro, homem sem pecado que veio tirar o pecado do mundo, revestido de um poder tão grande, que pôde dizer verdadeiramente sobre a sua vida: «Ninguém Ma tira, mas sou Eu que a ofereço livremente. Tenho poder de a oferecer e poder de a retomar. Tal é o encargo que recebi de meu Pai» (Jo 10,18).


Reflexão sobre o Evangelho:
(10/08/2022 – João 12,24-26) O Mestre apresenta aos seus discípulos a clareza do que é a vida em seu seguimento. Jesus não nos tira nada, mas nos dá tudo. O trigo é a semente do Reino que depois de moído formará o pão da comunhão do povo de Deus. Amar este mundo é perder a Vida. Como cristãos não podemos ter medo de abandonar as glórias do mundo para alcançar a vida eterna. Abandonemo-nos nas mãos de Deus com confiança. Não podemos nos deixar conduzir por nossos medos, devemos fixar nossos olhos no madeiro da cruz, ver o exemplo e dedicação absoluta que Jesus nos dá e seguir seus passos. Hoje Jesus nos mostra o caminho a seguir, devemos estar dispostos a fazê-lo, como os apóstolos e tantos santos o fizeram antes de nós. Os mártires nos mostram que vale a pena dar a vida por Cristo. Sejamos fiéis seguidores de Cristo dando a nossa vida por Ele, para torna-lo conhecido e amado. Deus abençoe você! #ParoquiaMissionaria #CatolicoOrante #ParoquiaEvangelizadora #Evangelizar #Discipular #Enviar #PalavradoPadre #PlanoMissionarioePastoral
Reflexão por: Pe. João Manoel Lopes


Outras reflexões sobre o Evangelho:

Reflexão sobre o Evangelho do dia com Dom Cesar Teixeira, bispo diocesano de São José dos Campos, e padres da diocese.

Textos tirados do site Católico Orante: https://www.catolicoorante.com.br/


Santa Clara 11/08


Origens

Santa Clara nasceu em Assis, Itália, no ano de 1193, em uma nobre família. Destacou-se pela sua caridade e respeito para com os pequenos, por isso, ao se deparar com a pobreza evangélica vivida por Francisco de Assis, apaixonou-se por esse estilo de vida.

Encontro com Francisco de Assis

Em 1212, quando tinha apenas dezenove anos, a jovem abandonou o seu lar para ir ao encontro de Francisco de Assis, na igreja de Santa Maria dos Anjos. Ela cortou o cabelo e vestiu um modesto hábito de lã, além disso, pronunciou os votos perpétuos de pobreza, castidade e obediência.

Clara foi, primeiro, para o mosteiro beneditino de São Paulo das Abadessas. Pouco depois, foi para a Ermida de Santo Ângelo de Panço, onde Inês, sua irmã de sangue, juntou-se a ela.

Clarissas

Ao se dirigir ao convento de São Damião, Clara – juntamente com outras moças –, deu início a uma nova vida religiosa. Elas, primeiramente, foram chamadas de “Damianitas”, depois, como Clara escolheu, elas foram chamadas de “Damas Pobres” e, finalmente, de “Clarissas”.

Seguindo as orientações de Francisco, em 1216, Clara aceitou para a sua Ordem as regras beneditinas e o título de abadessa. Porém, conseguiu o “privilégio da pobreza” do Papa Inocêncio III, mantendo o carisma franciscano.

Patrona da televisão 

Em 1226, Francisco de Assis morreu, e Clara acompanhou o funeral dele sem sair do quarto, já que estava doente, vela via as imagens como se projetadas na parede. Anteriormente a isso, ela teve esse mesmo tipo de visão em uma noite de Natal, quando viu o presépio e pôde assistir ao santo ofício que acontecia na igreja de Santa Maria dos Anjos. Por essas visões, foi proclamada oficialmente “Patrona da Televisão”.

Outro grande feito dessa santa foi a expulsão dos turcos muçulmanos da cidade de Assis, ela portava nas mãos o Santíssimo Sacramento.

Páscoa

Santa Clara faleceu no dia 11 de agosto de 1253, aos 60 anos de idade. Foi canonizada no ano de 1255, pelo Papa Alexandre IV.

Minha oração

“Santa Clara, que, seguindo os passos de São Francisco de Assis, iluminou o mundo com a vossa obediência ao Senhor, ajudai-nos a ter um coração como o vosso: humilde, pobre e temente a Deus. Amém!”

Santa Clara, patrona da televisão, rogai por nós!

Outros santos e beatos celebrados em 11 de agosto:

  • Em Comana, no Ponto, hoje Gumenek, na Turquia, Santo Alexandre, chamado o Carvoeiro, bispo. († s. III)
  • Em Roma, no cemitério “Ad Duas Lauros”, junto à Via Labicana, São Tibúrcio, mártir. († s. III-IV)
  • Também em Roma, a comemoração de Santa Susana. († data inc.)
  • Em Assis, na Úmbria, hoje na Toscana, região da Itália, São Rufino, que é considerado o primeiro bispo desta cidade e mártir. († c. s. IV)
  • Em Benevento, na Campânia, também região da Itália, São Cassiano, bispo. († s. IV)
  • Em Évreux, na Gália, hoje na França, São Taurino, que é venerado como primeiro bispo desta cidade. († c. s. V)
  • Na Irlanda, Santa Atracta, abadessa, que, segundo a tradição, recebeu das mãos de São Patrício o véu das virgens. († s. V)
  •  Na província de Valéria, hoje na Úmbria, região da Itália, Santo Equício, abade. († a. 571)
  • Em Cambrai, na Austrásia, atualmente na França, São Gaugerico, bispo. († c. 625)
  • Em Arles, na Provença, também na atual França, Santa Rustícola, abadessa, que dirigiu santamente as monjas durante quase sessenta anos. († 632)
  • Em Gloucester, na Inglaterra, os beatos João Sandys e Estêvão Rowsham, presbíteros, e Guilherme Lampley, alfaiate, mártires. († 1586, 1587, 1588)
  • Num barco-prisão ancorado ao largo de Rochefort, na França, o Beato João (Tiago Jorge Rhem), presbítero da Ordem dos Pregadores e mártir. († 1794)
  • Em Milão, na Itália, o Beato Luís Birághi, presbítero da diocese de Milão, fundador da Congregação das Irmãs de Santa Marcelina. († 1879)
  • Em Agullent, povoação do território de Valência, na Espanha, o Beato Rafael Afonso Gutiérrez, mártir. Com ele comemora-se também o beato mártir Carlos Díaz Gandia. († 1936)
  • Em Prat de Compte, povoação próxima de Tarragona, também na Espanha, o Beato Miguel Domingos Cendra, religioso da Sociedade Salesiana e mártir. († 1936)
  • Nos confins do Tibete, o Beato Maurício Tornay, presbítero e mártir. († 1949)
  • Fontes:
  • vatican.va e vaticannews.va
  • Martirológio Romano – liturgia.pt
  • Arquisp.org.br

– Produção e edição: Bianca Vargas



Por: CN

Quinta-feira, 11 de Agosto de 2022
Tempo: Comum

Memoria: Santa Clara
Cor liturgica: Branco

Evangelho do dia: São Mateus 18, 21-19, 1

Primeira leitura: Ezequiel 12, 1-12
Leitura da profecia de Ezequiel:

1A palavra do Senhor foi-me dirigida nestes termos: 2"Filho do homem, estás morando no meio de um povo rebelde. Eles têm olhos para ver e não veem, ouvidos para ouvir e não ouvem, pois são um povo rebelde. 3Quanto a ti, Filho do homem, prepara para ti uma bagagem de exilado, em pleno dia, à vista deles. Emigrarás do lugar onde estás, à vista deles, para outro lugar. Talvez percebam que são um povo rebelde. 4Deverás tirar a bagagem em pleno dia, à vista deles, como se fosse a bagagem de um exilado. Mas deverás sair à tarde, à vista deles, como quem vai para o exílio. 5À vista deles deverás cavar para ti um buraco no muro, pelo qual sairás; 6deverás carregar a bagagem nas costas e retirá-la no escuro. Deverás cobrir a face para não ver o país, pois eu fiz de ti um sinal para a casa de Israel". 7Eu fiz assim como me foi ordenado. Tirei a bagagem durante o dia, como se fosse a bagagem de exilado; à tarde, abri com a mão um buraco no muro. Saí ao escuro, carregando a bagagem às costas, diante deles. 8De manhã, a palavra do Senhor foi-me dirigida nestes termos: 9"Filho do homem, não te perguntaram os da casa de Israel, essa gente rebelde, o que estavas fazendo? 10Dize-lhes: Assim fala o Senhor Deus: Este oráculo refere-se ao príncipe de Jerusalém e a toda a casa de Israel que está na cidade. 11Dize: Eu sou um sinal para vós. Assim como eu fiz, assim será feito com eles: irão cativos para o exílio. 12O príncipe que está no meio deles levará a bagagem às costas e sairá ao escuro. Farão no muro um buraco para sair por ele. O príncipe cobrirá o rosto para não ver com seus olhos o país".

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Salmo 77 (78)

- Mesmo assim, eles tentaram o Altíssimo, recusando-se a guardar os seus preceitos. Como seus pais, se transviaram e o traíram como um arco enganador que volta atrás.

R: Das obras do Senhor não se esqueçam.

- Irritaram-no com seus lugares altos, provocaram-lhe o ciúme com seus ídolos. Deus ouviu e enfureceu-se contra eles, e repeliu com violência a Israel.

R: Das obras do Senhor não se esqueçam.

- Entregou a sua arca ao cativeiro, e às mãos do inimigo a sua glória; fez perecer seu povo eleito pela espada e contra a sua herança enfureceu-se.

R: Das obras do Senhor não se esqueçam.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 18, 21-19, 1

- Aleluia, Aleluia, Aleluia.
- Fazei brilhar vosso semblante ao vosso servo e ensinai-me vossas leis e mandamentos! (Sl 118,135);

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus:

Naquele tempo, 21Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: "Senhor, quantas vezes devo perdoar se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?" 22Jesus respondeu: "Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete. 23Porque o reino dos céus é como um rei que resolveu acertar as contas com seus empregados. 24Quando começou o acerto, trouxeram-lhe um que lhe devia uma enorme fortuna. 25Como o empregado não tivesse com que pagar, o patrão mandou que fosse vendido como escravo, junto com a mulher e os filhos e tudo o que possuía, para que pagasse a dívida. 26O empregado, porém, caiu aos pés do patrão e, prostrado, suplicava: 'Dá-me um prazo, e eu te pagarei tudo!' 27Diante disso, o patrão teve compaixão, soltou o empregado e perdoou-lhe a dívida. 28Ao sair dali, aquele empregado encontrou um dos seus companheiros, que lhe devia apenas cem moedas. Ele o agarrou e começou a sufocá-lo, dizendo: 'Paga o que me deves'. 29O companheiro, caindo aos seus pés, suplicava: 'Dá-me um prazo, e eu te pagarei!' 30Mas o empregado não quis saber disso. Saiu e mandou jogá-lo na prisão, até que pagasse o que devia. 31Vendo o que havia acontecido, os outros empregados ficaram muito tristes, procuraram o patrão e lhe contaram tudo. 32Então o patrão mandou chamá-lo e lhe disse: 'Empregado perverso, eu te perdoei toda a tua dívida porque tu me suplicaste. 33Não devias tu também ter compaixão do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?' 34O patrão indignou-se e mandou entregar aquele empregado aos torturadores, até que pagasse toda a sua dívida. 35É assim que o meu Pai que está nos céus fará convosco se cada um não perdoar de coração ao seu irmão". 19,1Ao terminar estes discursos, Jesus deixou a Galileia e veio para o território da Judeia além do Jordão.

- Palavra da Salvação
- Glória a Vós, Senhor

Comentário ao Evangelho por São João Paulo II, Papa
Encíclica «Dives in misericordia», §14

«Não devias, também tu, compadecer-te do teu companheiro»

Se Paulo VI por mais de uma vez indicou que a «civilização do amor» é o fim para o qual devem tender todos os esforços, tanto no campo social e cultural, como no campo económico e político, é preciso acrescentar que este fim nunca será alcançado se, nas nossas conceções e nas nossas atuações relativas às amplas e complexas esferas da convivência humana, nos detivermos no critério do «olho por olho e dente por dente» (Ex 21,24; Mt 5,38) e, ao contrário, não tendermos para transformá-lo essencialmente, completando-o com outro espírito. É nesta direção que nos conduz também o Concílio Vaticano II quando, ao falar repetidamente da necessidade de «tornar o mundo mais humano» (GS 40), centraliza a missão da Igreja no mundo contemporâneo precisamente na realização desta tarefa. O mundo dos homens só se tornará mais humano se introduzirmos, no quadro multiforme das relações interpessoais e sociais, juntamente com a justiça, o «amor misericordioso» que constitui a mensagem messiânica do Evangelho.

O mundo dos homens só poderá tornar-se cada vez mais humano quando introduzirmos, em todas as relações recíprocas que formam a sua fisionomia moral, o momento do perdão, tão essencial no Evangelho. O perdão atesta que, no mundo, está presente o amor que é mais forte que o pecado. O perdão, além disso, é a condição fundamental para a reconciliação, não só nas relações de Deus com o homem, mas também nas relações dos homens entre si. Um mundo do qual se eliminasse o perdão seria apenas um mundo de justiça fria e pouco respeitosa, em nome da qual cada um reivindicaria os direitos próprios em relação aos demais. Deste modo, as várias espécies de egoísmo, latentes no homem, poderiam transformar a vida e a convivência humana num sistema de opressão dos mais fracos pelos mais fortes, ou até numa arena de luta permanente de uns contra os outros.

Com razão a Igreja considera seu dever e objetivo da sua missão assegurar a autenticidade do perdão, tanto na vida e no comportamento concreto, como na educação e na pastoral. E não o protege senão guardando a sua fonte, isto é, o mistério da misericórdia de Deus, revelado em Jesus Cristo.


Reflexão sobre o Evangelho:
(11/08/2022 – Mateus 18,21–19,1) A vida cristã não pode seguir os critérios deste mundo, mas os critérios do reino. Jesus nos convida a perdoar sempre, este é o significado da frase até setenta vezes sete. O perdão exige que nos libertemos do ressentimento e do egoísmo, tendo um coração nobre, para depois poder libertar os oprimidos, como fez o rei que queria acertar as contas com seu servo devedor. Também temos que trabalhar para não sermos opressores, às vezes, aqueles que foram oprimidos e se sentem libertos, são os maiores despostas com aqueles que consideram inferiores. Precisamos ser bondosos e perdoarmos sempre, incondicionalmente e a todos. Seremos perdoados, assim como perdoamos a nós mesmos e ao próximo, por isso pedimos na mais bela de todas as orações. Supliquemos o auxílio de Deus para liberarmos o perdão sem condições. Deus abençoe você! #ParoquiaMissionaria #CatolicoOrante #ParoquiaEvangelizadora #Evangelizar #Discipular #Enviar #PalavradoPadre #PlanoMissionarioePastoral
Reflexão por: Pe. João Manoel Lopes


Outras reflexões sobre o Evangelho:

Reflexão sobre o Evangelho do dia com Dom Cesar Teixeira, bispo diocesano de São José dos Campos, e padres da diocese.

Textos tirados do site Católico Orante: https://www.catolicoorante.com.br/


Santa Joana de Chantal 12/08

Fundadora  (1572-1641)

                                                                               

Origens 

Ele nasceu em Dijon, em 23 de janeiro de 1572, em uma família da alta nobreza da Borgonha. Seu pai é Benigno Frémyot, segundo presidente do Parlamento. Ela logo perdeu a mãe e cresceu sob a educação e moral de seu pai. Em 29 de dezembro de 1592, Giovanna casou-se com Cristóvão II, barão de Chantal. Ela foi imediatamente chamada de “a dama perfeita” por seus esforços na propriedade Bourbilly e pela atenção e preocupação que reservava ao esposo. Desta união perfeita, nasceram seis filhos: os dois primeiros morrem ao nascer; depois, chegam Celso Benigno, Maria Amata, Francesca e Carlotta. Doce, serena e afável, Giovanna é amada por sua família, assim como pelos criados.

Amizade que santifica

Na história da Igreja, encontramos alguns casos em que homem e mulher atuaram juntos no caminho da santidade, lembramos Francisco e Clara, Elzeario de Sabran e Delfina de Glandève, Teresa de Ávila e Giovanni della Croce, Bento e Escolástica, São Francisco de Sales e Giovanna Francesca Frémyot de Chantal, santa de hoje. Graças ao encontro com o bispo de Genebra, Joana definiu seu caminho de santidade. Os franceses a chamam de Santa Chantal e a veneram em Annecy, onde repousa ao lado de São Francisco de Sales.

Devota dos pobres

Quando Cristoforo se ausenta do castelo para cumprir seus deveres na corte, Giovanna deixa suas roupas elegantes e se dedica aos pobres, a quem oferece não apenas dinheiro, mas sua própria pessoa, servindo-lhes. Sua caridade tornou-se imensa durante a fome que atingiu a Borgonha no inverno de 1600-1601. É aqui que a baronesa transforma o seu lar num verdadeiro hospital para acolher mães e crianças em dificuldade e encarrega-se da construção de um novo forno para poder distribuir pão a todos aqueles que batem à sua porta. Um dia lhe disseram que só restava um saco de centeio no celeiro; ela, sem hesitar, mandou continuar a distribuição do pão. 

Viuvez

Então, vem a primeira grande prova, a morte de Cristóvão, morto por um arcabuz baleado durante uma caçada. Ela continua viúva com apenas 29 anos, mãe de quatro filhos, a primeira com apenas cinco anos e a última alguns dias. Neste tempo de luto e dor, amadurece o desejo de consagrar-se a Cristo, mas os deveres familiares não lhe permitem uma escolha de vida tão drástica.

Enquanto espera conhecer a vontade de Deus,  dedica-se totalmente aos filhos, à administração da casa e à oração. Seu sogro, o barão de Chantal, informa que ela deve se mudar imediatamente para a casa dele em Monthélon, se quiser que seus filhos participem da herança, e ela aceita, sabendo que ficaria encarregada da residência do velho barão. Por muito tempo, ela terá que suportar a opressão deste. Seu nome começa a se tornar conhecido por sua caridade. Ela não é mais chamada de “dama perfeita”, mas de “nossa boa senhora”. 

Prova e providência

Outra prova difícil que ela enfrenta agora: seu guia espiritual não entende sua pessoa, ele não pode ler sua alma. Um dia, seu pai a convida a Dijon, desta vez para ouvir a Quaresma do bispo de Genebra, Francisco de Sales, cuja fama se espalha cada vez mais em Savoy e em toda a França. O primeiro encontro entre Giovanna e o bispo aconteceu em 5 de março de 1604. Desde então, foi estabelecido um caminho extraordinário de união fraterna e espiritual. A direção espiritual de Francisco de Sales realiza-se sobretudo através de correspondências. 

Fundação da Ordem da Visitação

Em 1610, ela assinou uma escritura em frente ao notário em que se desfez de todos os bens em favor de seus filhos. Deixa assim a família e parte para Annecy; a 6 de Junho, juntamente com duas companheiras, Giacomina Favre e Giovanna Carlotta de Bréchard, entra na pequena e humilde «casa da Galeria», berço da Ordem da Visitação. Ela será sempre “mãe”, continuando a amar profundamente e com ternura os seus filhos.

Novas mortes, novas tristezas… tanto que apenas sua filha Francesca sobreviverá a ela entre filhos, irmãos, irmãos e nora. Portanto, Deus se torna para ela a única busca, o único fim de sua vida atual. Quando Francisco de Sales faleceu (28 de dezembro de 1622), Joana se viu sozinha no comando da nova família religiosa da Visitação. Ela se tornou uma peregrina nas ruas da França. Fundou 87 casas da visitação.

Páscoa

Consumida “no amor ao trabalho e no trabalho do amor”, como costumava dizer, faleceu em 13 de dezembro de 1641 no mosteiro de Moulins. As “Cartas de amizade e orientação” são o testemunho mais vivo da grande espiritualidade de Madre Chantal e são a prova de que ela era muito inteligente e “livre”, em vez de reduzida a uma sombra anônima de São Francisco de Sales. Canonizada por Clemente XIII, em 16 de julho de 1767.

Minha oração

“Santa Madre, que aos moldes de Virgem da visitação, aprende a acolher e amar a todos, que possamos por sua intercessão seguir seus passos e desenvolver a arte do acolhimento. Por Cristo, Nosso Senhor.” 

Santa Joana de Chantal , rogai por nós!

Outros santos e beatos celebrados em 12 de agosto:

  • Em Catânia, na Sicília, atualmente região da Itália, Santo Euplo, mártir. († 304)
  • Em Nicomédia, na Bitínia, hoje Izmit, na Turquia, os santos Aniceto e Fócio, mártires. († s. IV)
  • Em Killala, na Irlanda, São Muredach, bispo. († c. s. V)
  • Também na Irlanda, no mosteiro que recebeu o seu nome, Santa Lélia, virgem. († s. V)
  • Em Bréscia, na Lombardia, região da Itália, Santo Herculano, bispo. († s. VI)
  • Em Lérins, ilha da Provença, atualmente na França, os santos mártires Porcário, abade, e muitos outros monges. († c. s. VIII)
  • Em Ruthin, no País de Gales setentrional, o Beato Carlos Meehan, presbítero da Ordem dos Frades Menores e mártir. († 1679)
  • Em Roma, o Beato Inocêncio XI, papa. († 1689)
  • Num sórdido barco-prisão ancorado ao largo de Rochefort, na França, o Beato Pedro Jarrige de la Morélie de Puyredon, presbítero e mártir. († 1794)
  • Em Nam Dinh, cidade do Tonquim, hoje no Vietnam, os santos mártires Tiago Dô Mai Nam My, presbítero, António Nguyen Dich, agricultor, e Miguel Hguyen Huy My, médico. († 1838)
  • Em Hornachuelos, vila próxima de Córdova, na Espanha, a Beata Vitória Díez y Bustos de Molina, virgem e mártir. († 1936)
  • Em Valdemoro, próximo de Madrid, também na Espanha, o Beato Flávio (Atilano Dionísio Argüeso González), religioso da Ordem de São João de Deus e mártir. († 1936)
  • Em Barbastro, próximo de Huesca, no território de Aragão, também na Espanha, os beatos Sebastião Calvo Martínez, presbítero, e cinco companheiros, mártires, religiosos da Congregação dos Missionários Filhos do Imaculado Coração de Maria. († 1936)
  • Em Tarragona, também na Espanha, o Beato António Perulles Estivill, presbítero da Irmandade de Sacerdotes Operários Diocesanos e mártir. († 1936)
  • Em Fuencarral, na cidade de Madrid, também na Espanha, o Beato Boaventura Garcia Paredes, presbítero da Ordem dos Pregadores e mártir. († 1936)
  • Em Puente del Arzobispo, próximo de Toledo, também na Espanha, o Beato Domingos Sánchez Lázaro, presbítero da diocese de Toledo e mártir. († 1936)
  • Em Villacañas, próximo de Toledo, também na Espanha, o Beato Francisco Maqueda López, candidato ao presbiterado e mártir. († 1936)
  • Em Dachau, próximo de Munique da Baviera, na Alemanha, os beatos Floriano Stepniak, da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, e José Straszewski, presbíteros e mártires. († 1942)
  • Em Planegg, também próximo de Munique da Baviera, na Alemanha, o Beato Carlos Leisner, presbítero do Movimento Apostólico de Shönstatt e mártir. († 1945)

Fontes:

  • vatican.va e vaticannews.va
  • Martirológio Romano – liturgia.pt
  • Liturgia das Horas
  • Livro “Relação dos Santos e Beatos da Igreja” – Prof Felipe Aqui [Cléofas 2007]
  • Santiebati.it 

– Pesquisa e redação: Rafael Vitto – Comunidade Canção Nova

– Produção e edição: Melody de Paulo



Por: CN


Sexta-feira, 12 de Agosto de 2022
19a. Semana do Tempo Comum
Cor liturgica: Verde

Evangelho do dia: São Mateus 19, 3-12

Primeira leitura: Ezequiel 16, 1-15.60.63
Leitura da profecia de Ezequiel:

1A palavra do Senhor foi-me dirigida nestes termos: 2"Filho do homem, mostra a Jerusalém suas abominações. 3Dirás: Assim fala o Senhor Deus a Jerusalém: Por tua origem e nascimento, és do país de Canaã. Teu pai era um amorreu e tua mãe uma hitita. 4E como foi o teu nascimento? Quando nasceste, não te cortaram o cordão umbilical, não foste banhada em água, nem esfregada com salmoura, nem envolvida em faixas. 5Ninguém teve dó de ti nem te prestou algum desses serviços por compaixão. Ao contrário, no dia em que nasceste, eles te deixaram exposta em campo aberto, porque desprezavam a tua vida. 6Então, eu passei junto de ti e vi que te debatias no próprio sangue. E enquanto estavas em teu sangue, eu te disse: Vive! 7Eu te fiz crescer exuberante como planta silvestre. Tu cresceste e te desenvolveste, e chegaste à puberdade. Teus seios se firmaram e os pelos cresceram; mas estavas inteiramente nua. 8Passando junto de ti, percebi que tinhas chegado à idade do amor. Estendi meu manto sobre ti para cobrir tua nudez. Fiz um juramento, estabelecendo uma aliança contigo - oráculo do Senhor -, e tu foste minha. 9Banhei-te na água, limpei-te do sangue e ungi-te com perfume. 10Eu te revesti de roupas bordadas, calcei-te com sandálias de fino couro, cingi-te de linho e te cobri de seda. 11Eu te enfeitei de joias, coloquei braceletes em teus braços e um colar no pescoço. 12Eu te pus um anel no nariz, brincos nas orelhas e uma coroa magnífica na cabeça. 13Estavas enfeitada de ouro e prata, tuas vestimentas eram de linho finíssimo, de seda e de bordados. Eu te nutria com flor de farinha, mel e óleo. Ficaste cada vez mais bela e chegaste à realeza. 14Tua fama se espalhou entre as nações por causa de tua beleza perfeita, devido ao esplendor com que te cobri - oráculo do Senhor. 15Mas puseste tua confiança na beleza e te prostituíste graças à tua fama. E sem pudor te oferecias a qualquer passante. 60Eu, porém, me lembrarei de minha aliança contigo, quando ainda eras jovem, e vou estabelecer contigo uma aliança eterna. 63É para que te recordes e te envergonhes, e na tua confusão não abras mais a boca, quando eu te houver perdoado tudo o que fizeste - oráculo do Senhor Deus".

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Salmo Is 12

- Eis o Deus, meu salvador, eu confio e nada temo; o Senhor é minha força, meu louvor e salvação. Com alegria bebereis no manancial da salvação e direis naquele dia: "Dai louvores ao Senhor, invocai seu santo nome, anunciai suas maravilhas, dentre os povos proclamai que seu nome é o mais sublime.

R: Acalmou-se a vossa ira e enfim me consolastes.

- Louvai, cantando ao nosso Deus, que fez prodígios e portentos, publicai em toda a terra suas grandes maravilhas! Exultai, cantando alegres, habitantes de Sião, porque é grande em vosso meio o Deus santo de Israel!"

R: Acalmou-se a vossa ira e enfim me consolastes.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 19, 3-12

- Aleluia, Aleluia, Aleluia.
- Acolhei a Palavra de Deus não como palavra humana, mas como mensagem de Deus, o que ela é, em verdade! (1Ts 2,13);

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus:

Naquele tempo, 3alguns fariseus aproximaram-se de Jesus e perguntaram, para o tentar: "É permitido ao homem despedir sua esposa por qualquer motivo?" 4Jesus respondeu: "Nunca lestes que o criador, desde o início, os fez homem e mulher? 5E disse: 'Por isso, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e os dois serão uma só carne'? 6De modo que eles já não são dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, o homem não separe". 7Os fariseus perguntaram: "Então, como é que Moisés mandou dar certidão de divórcio e despedir a mulher?" 8Jesus respondeu: "Moisés permitiu despedir a mulher por causa da dureza do vosso coração. Mas não foi assim desde o início. 9Por isso, eu vos digo: quem despedir a sua mulher - a não ser em caso de união ilegítima - e se casar com outra, comete adultério". 10Os discípulos disseram a Jesus: "Se a situação do homem com a mulher é assim, não vale a pena casar-se". 11Jesus respondeu: "Nem todos são capazes de entender isso, a não ser aqueles a quem é concedido. 12Com efeito, existem homens incapazes para o casamento, porque nasceram assim; outros, porque os homens assim os fizeram; outros, ainda, se fizeram incapazes disso por causa do reino dos céus. Quem puder entender, entenda".

- Palavra da Salvação
- Glória a Vós, Senhor

Comentário ao Evangelho por Missal Romano
Ritual do Matrimónio

«Já não são dois, mas uma só carne»

Pai Santo, Criador do universo,
que formastes o homem e a mulher à vossa imagem
e quisestes abençoar a família por eles formada,
humildemente Vos suplicamos por estes vossos servos
que hoje se unem pelo sacramento do matrimónio.

Desça, Senhor, sobre esta esposa e o seu marido
a abundância das vossas bênçãos,
e a virtude do Espírito Santo inflame os seus corações
para que, no dom recíproco do seu amor,
alegrem com os seus filhos a família e a Igreja.

Eles Vos louvem, Senhor, na alegria,
eles Vos procurem na tristeza,
no trabalho sintam a vossa ajuda
e nas dificuldades a vossa consolação;
rezem na assembleia cristã
e sejam vossas testemunhas no mundo.

E, depois de uma vida longa e feliz,
alcancem, com todos estes seus amigos,
a felicidade no Reino dos Céus.


Reflexão sobre o Evangelho:
(12/08/2022 – Mateus 19,3-12) O matrimônio é o sacramento do amor entre um homem e uma mulher. A graça sacramental do matrimônio consiste na ajuda que Jesus lhes concede para que possam viver aquele amor mútuo que prometeram um ao outro e que pede fidelidade e permanência. O matrimônio se constitui na expressão do amor de Deus por nós e é a repetição da Aliança entre Deus e o homem. Por isso, o Amor de Deus é o vínculo da perfeição do matrimônio. Só o Amor de Deus no coração do homem e da mulher poderá fazer concretizarem-se as palavras de Jesus sobre a indissolubilidade do matrimônio. O homem e a mulher tornam-se uma só carne, quando são unidos com o amor que vem do coração de Deus e, assim, ninguém poderá quebrar essa aliança, porque ela é eterna. O amor que une os dois é o motivo pelo qual o Senhor os abençoa e é este amor quem os faz uma só carne. Deus abençoe você! #ParoquiaMissionaria #CatolicoOrante #ParoquiaEvangelizadora #Evangelizar #Discipular #Enviar #PalavradoPadre #PlanoMissionarioePastoral
Reflexão por: Pe. João Manoel Lopes


Outras reflexões sobre o Evangelho:

Reflexão sobre o Evangelho do dia com Dom Cesar Teixeira, bispo diocesano de São José dos Campos, e padres da diocese.

Textos tirados do site Católico Orante: https://www.catolicoorante.com.br/







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração Forte e Poderosa das 4 Cruzes Milagrosas

Oração Forte e Poderosa a São Judas Tadeu para ganhar dinheiro urgente!

Oração Milagrosa de Santa Irmã Dulce